Estiveram presentes velejadores dos diferentes clubes da Região em que a modalidade é praticada, entre eles o Naval da Praia e o Angra Iate Clube.

Com cerca de 80 velejadores de vela ligeira nas categorias de juvenis e juniores, realizou-se, na baía da cidade da Horta, entre os dias 12 e 13 do passado mês de janeiro, a denominada 2.ª Prova do Campeonato Regional (PCR), nas classes de Optimist, Laser e 420.
Estiveram presentes velejadores dos diferentes clubes da Região onde esta modalidade é praticada, concretamente Angra Iate Clube, Clube Naval Praia da Vitória (ambos da ilha Terceira), Clube Naval de São Roque, Clube Naval da Madalena, Clube Naval das Lajes (todos da ilha do Pico), Clube Naval de Ponta Delgada, Clube Naval de Vila Franca do Campo (da ilha de São Miguel), Clube Naval da Horta e Clube Naval de Santa Maria.
A excelente organização esteve a cargo do Clube Naval da Horta, que teve como promotora a Associação Regional de Vela dos Açores e que, como é habitual, contou com o apoio de vários patrocinadores.

CONDIÇÕES ADVERSAS
Poderá dizer-se que a meteorologia foi bastante traiçoeira para os velejadores das diferentes classes em competição, razão, inclusive, pela qual a prova, que previamente estava calendarizada para ser realizada nos dias 15 e 16 de dezembro passado, foi adiada.
Na verdade, de ânimo leve poderá deduzir-se que o adiamento em nada afetou os velejadores participantes. Aliás, contra as condições climatéricas adversas nada se poderá fazer, a não ser tomar decisões que salvaguardem aqueles que estão previstos irem para o mar.
Mas, para quem desta modalidade faz o seu desporto preferido, a ensina ou a dirige, sabe que se estar, aproximadamente, um mês e meio sem treinar, por as embarcações se encontrarem já no local de competição, retira confiança aos atletas e os desequilibra emocionalmente, com a agravante, ainda, de a maior parte deles estar fora do seu meio natural de treino, o que aumenta o grau de insegurança.
Assim, poderá dizer-se que esta prova não foi nada fácil, já que, no primeiro dia de competição, em que esteve muito vento e um mar pouco desejado para fazer-se vela, houve um grande número de desistências. No entanto, ainda se conseguiram realizar quatro regatas nas classes de Lazer e de 420 e três nas de Optimist, permitido, desta forma, validar esta prova do Campeonato Regional.
No segundo dia de competição, as condições climatéricas ainda se agravaram mais, pois, mesmo sabendo-se que esta modalidade se faz com vento, quando este “sopra” do quadrante este no campo de regatas da baía da cidade da Horta, conjuntamente com a elevação geológica que parcialmente a rodeia, originam-se acelerações e alterações de direção, não permitindo montar, de forma estável, um percurso. Assim, com praticamente toda a frota no mar, a regata foi anulada.
É de inteira justiça elogiar de uma forma generalizada todos os velejadores, independentemente das classificações obtidas, pelo modo como enfrentaram todas as adversidades a que estiveram sujeitos e, se calhar, a Associação Regional de Vela dos Açores, em conjunto com os clubes, terá de repensar um pouco melhor as datas para as provas do Campeonato Regional das ilhas de bruma.
Certamente será mais fácil para um velejador ir competir com um mês de treinos do que sem estes, independentemente de, também, haver necessidade de implementar mais competição a nível local.
Todos sabemos que esta envolvência desportiva náutica acarreta elevadas despesas, porque somos uma região insular muito particular, fruto da nossa descontinuidade geográfica, e, como tal, as entidades oficiais terão de ser mais participativas em termos financeiros, pois o mar é algo de importante na projeção dos Açores.

ATLETAS EM DESTAQUE 
Sem desprezo por nenhum velejador, constata-se, pelas classificações obtidas, as boas prestações dos velejadores da ilha Terceira Duarte Barcelos, Adelino Andrade e Bernardo Peixoto, em defesa do Clube Naval Praia da Vitória, e de Pedro Rico, André Neto/Teresa Melo e Camila Silveira/Manuel Rolo, com as cores do Angra Iate Clube.
Alguns destes velejadores vão certamente, nas respetivas classes, conseguir participar no Campeonato Nacional de Vela Ligeira, em representação dos Açores, se mantiverem as suas performances desportivas ou, então, as melhorarem ligeiramente. Se assim for, provavelmente, o Angra Iate Clube conseguirá pela primeira vez fazer-se representar no Campeonato Nacional de Vela Ligeira.
A 2.ª PCR só terminou com a entrega dos prémios pelos três primeiros lugares de cada classe em competição, inserida num ambiente de boa disposição e de sentido de grupo, durante um jantar oferecido pelo Clube Naval da Horta a todos os participantes, no restaurante O Barão Palace, e que contou com a presença de entidades oficiais da ilha do Faial.
A próxima prova do animado Campeonato Regional de Vela Ligeira está agendada para os dias 16 e 17 de março, na ilha de São Miguel.

Notícia: Diário Insular

Fotografias: Clube Naval da Horta